Caros leitores,

Amigos,

sinto que meu senso poético está esvaindo-se.
Ultimamente ando escrevendo muito mal, minha cabeça só consegue pensar nas redações do vestibular.

É triste, eu sei. Mas é necessário.

Quando escrever algo que preste, voltarei.

triste vida

Me sinto fraca.
Tudo o que venho fazendo é sim para o meu bem próprio, não haveria outra razão.
Mas ainda assim, querem que eu mude o rumo.
Já começo a pensar que não sei mais de nada.
Tudo isso está se tornando cada vez mais difícil.
E eu começo a não aguentar.
Todas as minhas decisões até agora foram minimamente pensadas.
Mas parece que o dinheiro é mais importante pra eles, que não aceitam o fato de eu ser apenas eu, não ter que ficar fingindo.
Não sei mais o que faço, minha mente vai explodir.

Aqui quem vos fala é a verdadeira Carol.

Ponto de vista, v. 2012

Estou vivendo a segunda crise do ano.
Mas dessa vez a culpa não é totalmente minha.

O que você faria se alguém que conheces tentasse o suicídio?
E pior ainda, se você tem um apreço por esse alguém?
Pois é, aconteceu comigo. E por causa disso estou péssima.

Felizmente, o dito cujo não obteve sucesso na tentativa. O veneno era fuleiro e os remédios não foram o suficiente. Daí então depois de toda a minha angústia, eu escuto do ser que a causa do ato foi a minha pessoa. Eu percebo que tudo o que eu faço pra agradar ainda não é o bastante. Todo o meu apreço deveria ser ser amor.

Mas não é bem assim.

Eu sei que "você" lê isso daqui, e eu sei também das tuas expectativas.
A nossa conversa hoje foi boa o bastante pra tu entender o meu amor por você.
Não é avassalador, não é forte, mas também não é paixão.
Não estou apaixonada, mas também não sou sua amada. Já estive nesse lugar e sei como é lidar com você.
Por favor, me entenda: ainda não é a hora.
E pare de tentar se destruir, pois isso tá acabando comigo!