Papéis. - "A Série do Desapego" pt. 02

Estive pensando que a cada pseudo amor que eu vivo eu poderia fazer uma série. Mas é uma fadiga muito grande pensar nessa possibilidade. Vou me concentrar apenas no atual. Aliás, ex atual.

Costumo dizer pra mim mesma, que eu somente assumo os inícios, meios e fins da minha vida quando escrevo e descrevo-os aqui. Portanto, comunico mais um fim. Talvez possa ser só um meio. Aliás, todos os fins podem ser apenas os meios de grandes histórias. Em muitos casos isso não acontece, mas não é algo impossível.

Pois bem, como já relatado anteriormente, esta série se trata muito mais de mim do que de um outro alguém especificamente. Na verdade, o desapego em questão se refere muito mais a eu me preocupar menos com certas coisas, e consequentemente, com certas pessoas.
Venho exercitado muito a arte do desapegar. Não é nada fácil admitir que algumas coisas são inúteis nessa vida, mas "depois que a ficha cai", você vê que aquilo era totalmente dispensável.

A ideia da Série do Desapego não é desmerecer e nem subestimar ninguém, mas acontece que estou num momento em que é muito mais importante me conhecer, me suportar, me entender. Segurar o fardo de ter que me agradar e além disso agradar alguém é muito difícil. Às vezes me pergunto se eu conseguirei lidar com estas duas árduas tarefas algum dia.

Esquecendo um pouco dos pensamentos futuros, acho que as coisas acontecem muito naturalmente quando elas realmente têm de acontecer. Assim, não vou esperar ativamente pelo nosso fim, até por que isso pode ser apenas o meio, mas está mais certo pra mim, e assim naturalmente também aconteceu, que eu devo ficar apenas comigo.